PMAuthority.com – Helping to keep the talent bar high globally

PMAuthority.com - Helping to keep the talent bar high globally

Hoje é o lançamento oficial da revista digital PMAuthority.com.

PMAuthority.com foi criada para reunir e partilhar informação sobre as competências essenciais de Gestão de Projetos, Estratégia & Gestão e Liderança.

Pode desfrutá-la aqui: http://pmauthority.com

Como A Cultura de Gestão de Projetos Pode Afetar a Rentabilidade

Como A Cultura de Gestão de Projetos Pode Afetar a Rentabilidade.

Implementar os processos associados à gestão de projetos trás muitos benefícios. Analisemos só um deles: a rentabilidade.

#1 Entendendo a rentabilidade numa empresa SEM uma cultura de Gestão de Projetos

Muitos profissionais que ainda não utilizam a gestão de projetos, fazem mais ou menos uma análise de custo, colocam mais ou menos uma margem para a rentabilidade do projeto, apresentam a proposta ao cliente e se for aprovada começam a trabalhar no projeto.
Ao começarem a trabalhar, começam as surpresas… O custo não era bem esse, normalmente mais elevado, e a rentabilidade começa a ficar cada vez mais pequena, em muitos casos, perde-se dinheiro. Este cenário ainda não é dos piores, o pior cenário é aquele em que não se levam bem as contas, e a empresa pensa que está a ganhar dinheiro com o projeto, quando na realidade está a perder; na maioria das vezes isto acontece, porque existem custos dos projetos (deslocações, atrasos, formação etc.), que não são atribuídos ao projeto, senão à empresa como um todo, ficando com a ilusão de que o projeto foi rentável.

#2 Entendendo a rentabilidade numa empresa COM uma cultura de Gestão de Projetos

Mas, e se fizermos bem as coisas? Será que conseguimos obter a rentabilidade esperada do projeto?

Ao fazermos o planeamento do projeto, ficamos a conhecer o custo do projeto, e a esse custo adicionamos a margem de rentabilidade do projeto.

Numa cultura de gestão de projetos o panorama apresenta-se de uma forma diferente:

– escolhemos só projetos que estejam de acordo com a nossa estratégia organizacional – projetos rentáveis.
– terminamos os projetos dentro do custo planeado, com a qualidade planeada e o prazo planeado- conseguimos obter a rentabilidade esperada
– minimizamos os riscos do projeto – conseguimos obter a rentabilidade esperada.
– aumentamos as oportunidades – conseguimos obter a rentabilidade esperada.
– gerimos as expectativas das partes interessadas. – conseguimos obter a rentabilidade esperada
– gerimos as mudanças .- conseguimos obter a rentabilidade esperada.

Sim, entendeu … A gestão de projetos não aumenta a rentabilidade do projeto, mas aumenta a probabilidade de terminar o projeto com a rentabilidade esperada. Evitando gastar o dinheiro em custos não planeados e ficar com prejuízo no projeto.

A cultura de Gestão de Projetos cria empresas economicamente sustentáveis.

E você? Considera que as empresas deviam ter uma cultura de Gestão de Projetos?

Afinal , O Que É Um Gestor de Projetos?

O que faz um grande gerente de projetos é a capacidade de ser o maestro da orquestra. - Ricardo Vargas.

Existe uma má percepção de que um gestor de projetos deve ser um especialista na área técnica do projeto em questão. Esta má percepção é muito evidente, basta dar uma olhada às ofertas de emprego que andam por aí, solicitando um gestor de projetos. A maioria delas pedem tanto conhecimento técnico como conhecimento (e em muitos casos certificação) na área de gestão de projetos.

Esta má percepção é uma das razões pelas quais vemos tantas ofertas de trabalho a solicitar gestores de projetos que não são preenchidas, ao mesmo tempo que vemos gestores de projetos a tentar explicar que a oferta de trabalho não está bem enquadrada no que é o perfil dum gestor de projeto.

Vamos então tentar compreende melhor o que faz um grande gestor de projetos. Para isso, partilhamos este videocast de Ricardo Vargas, que nos da uma visão clara do perfil do Gestor de Projetos.

Seguem as minhas anotações sobre o vídeo:

Em resumo estas são as características de um gestor de projeto:

  • Não é necessário o domínio técnico daquilo que o projeto vai abordar.
  • O que interessa é a capacidade que o gestor de projeto tem para montar uma equipa de trabalho, que tenha nos seus integrantes pessoas com profundo conhecimento técnico.
  • O gestor de projetos é um integrador.
  • O gestor de projetos vai usar habilidades não técnicas para realizar o seu trabalho: Uma fortíssima capacidade de liderança, uma capacidade impar de negociar, uma habilidade de motivar a equipa, e a capacidade de ter um pensamento e planeamento sistémico com foco no objetivo do projeto.
  • O que faz um grande gerente de projetos é a capacidade de ser o maestro da orquestra.

Mas porque o gestor de projetos precisa dessas habilidades?

Porque a maior parte dos problemas do projeto não são técnicos, são problemas operacionais, problemas administrativos, problemas motivacionais, problemas relacionados com pessoas, mau dimensionamento do âmbito.

Isto não quer dizer que obrigatoriamente um gestor de projeto não deve ter conhecimento do domínio técnico, mas se tivermos que fazer uma escolha, nós vamos fazer a escolha pelo lado da liderança, pela capacidade organizacional é isso que vai fazer a diferença e é por isso que a profissão é tão fascinante.

E você? Tem notado que existe esta má percepção de que um gestor de projetos deve ser um especialista na área técnica? Conte-nos a sua história.

Desafios da Gestão de Projetos em Design – EST-IPCA

Escola Superior de Tecnologia do Instituto Politécnico do Cávado e do Ave (EST-IPCA) - Mirla Ferreira.

No passado 27 de Fevereiro na Escola Superior de Tecnologia do Instituto Politécnico do Cávado e do Ave (EST-IPCA) foi realizada a palestra “Desafios da Gestão de Projetos em Design” a alunos de Design Gráfico.

Durante a palestra tentamos responder básicamente às seguintes questões:

  • Será que um designer pode desenvolver projetos bem sucedidos sem conhecer as boas práticas da gestão de projetos?
  • Será que um designer precisa conhecer as boas práticas de gestão de projetos para integrar uma equipa de desenvolvimento de projetos não só da área de design, mas projetos de outras áreas onde ele forma parte da equipa?

Seguem algumas reflexões:

Entendendo a gestão de projetos

Gestão de Projetos uma competência do século XXI: antes éramos gestores de projetos por “acidente”, ao fazer o nosso trabalho técnico se o fazíamos bem, o nosso prémio era passar a ser gestores de projetos, líder de equipa, etc. O problema é que passávamos a essa posição sem qualquer formação.

Hoje em dia a Gestão de Projetos é considerada uma profissão. Existem várias certificações, como por exemplo a Certificação PMP®, Scrum, GPM®. onde fica evidenciado que as as competências que normalmente são precisas para serviços técnicos não são as mesmas que para ser um gestor de projetos efectivo. O gestor de projeto deve ter um conjunto de habilidades como por exemplo: fazer as perguntas certas, planear, liderar, comunicar…

Por que devemos aprender sobre gestão de projetos?

Eu sou designer .. devo aprender sobre gestão de projetos? Claro que SIM, os projetos formam parte da nossa vida do quotidiano, e também da nossa vida profissional. Os projetos da área de design podem e devem ser geridos utilizando as boas práticas da gestão de projetos.

Necessidades do mercado. As empresas estão a precisar de profissionais /designers que sejam gestores de design e saibam como desenvolver e administrar o processo de design dentro da organização. Devem conhecer de gestão de projetos, design thinking, design e sustentabilidade, design como foco estratégico nas empresas, etc.

Competências essencias: A gestão de projetos nos ajuda a desenvolver competências essencias, tais como: liderança, planeamento, custos, qualidade, recursos humanos, comunicação, prazo, gestão estratégica. O desenvolvimento destas competências essencias nos ajuda a enfrentar novos desafíos: utilização de novas tecnologías, gestão de equipas virtuais, sustentabilidade, gestão da mudança, gestão das incertezas.

Que benefícios nos traz a gestão de projetos?

Os benefícios são muitos, podemos destacar os seguintes: mais transparência, mais formalização, menos crise, mais aprendizagem, maior desenvolvimento pessoal / desenvolvimento profissional.

Como o conseguimos? Integrando pessoas e processos. Robin Sharma, menciona que um dos princípios para termos sucesso, é saber que o objetivo real não é em si o objetivo que temos de atingir, senão o processo que nos permite atingir esse objetivo, isto é “a meta é o processo”.
Isto leva-nos a uma interessante reflexão: definir os nossos objetivos, definir as nossas metas empresariais e atingir esses objetivos e metas é importante, mas “melhorar”, “refinar”, “desenvolver” o processo que nos leva a atingir os nossos objetivos e metas é ainda mais importante, é o que nos vai permitir melhorar, crescer e ter sucesso.

Não pense que a gestão de projetos é só para grandes empresas, grandes projetos ou para certas profissões. A eficácia e eficiência não têm nada a ver com o tamanho ou o tipo de projeto, mas sim com a forma de trabalhar.

A gestão de projetos é uma ferramenta que o ajuda a trabalhar de forma inteligente que nos permite minimizar os obstáculos que surgem ao realizarmos o nosso projeto.

E você é designer? Quantos projetos tem realizado que não são bem sucedidos? Aplica as boas práticas da gestão de projetos no planeamento, execução e monitorização do seu projeto?