Products, Projects, and Strategy – How Do They Fit Together?

What comes first – your products or your strategy? And where do all your business activities, including processes and projects, fit into the picture? If you’re like many people I speak with, you probably feel strongly that products (and/or services) come first and that your business strategy should follow from there.

While I generally agree with this line of thinking, I’d argue that you’ve got to take a more nuanced and flexible approach if you’re going to achieve the type of business success I know you want.

Successful companies excel because they are focused on giving their customers “what they want, when they want it, in a way that makes them feel the way they want to feel”. They’re not simply designing a cool product or hot new service and then looking for a market and customer to sell it to as some kind of afterthought. However, I see this happening in companies far too frequently these days.

For successful companies, these important elements (i.e. giving customers “what they want, when they want it, in a way that makes them feel the way they want to feel”) form their customer value proposition (CVP) and they are determined, orchestrated, and managed in a close and dynamic relationship that enables successful companies to survive, thrive, and grow.

Here’s a picture of what the entire customer value proposition “system” looks like:

Customer value proposition system - Sandy Richardson

As you can see, many components go into determining the “what they want, how they want it” part of a company’s CVP. Did you notice that products and/or services, and their attributes, are just one part of the picture? And, did you notice that they aren’t even the foundation of a solid CVP? Does this surprise you?

It turns out that the foundation for a successful CVP is a clearly defined target customer and an intimate understanding of the range of their needs and expectations, including their MOST important need or expectation (i.e. the thing they value/yearn for the most and, if they are having trouble finding it, would gladly pay for if someone could offer it to them). It turns out that this information is critical in helping companies determine the best combination of attributes for their products and/or services (i.e. what they look like and what they do), evaluate competitors and assess the competitive landscape in a customer-centric way, and make their market space decision (i.e. whether they are going to compete in an existing market or innovate and create a new one). In addition, having an understanding of the needs, expectations, and preferences of their target customer allows companies to define their primary customer value strategy and design the ideal customer experience.

When you are beginning to define the “what they want, how they want it” part of your company’s CVP, it makes sense to start with the foundation first – your target customer. Doing so ensures that you select or create products and services that will be truly attractive to your customers. Products and services that fill a real customer need virtually sell themselves.

However, finalizing your “what they want, how they want it” go-forward decision is, in my experience, a more dynamic process – one that takes into account the inter-connected nature of all the elements involved in your CVP system. As you gather data and develop insights, evaluate information, and assess the potential in each part of this system, you often learn something that causes you to adjust your original thinking and direction.

For example, new information about the most important/number one need or expectation of your target customer may cause you to do a 180 with your products and services such as changing from a value-priced offering to a higher-end product and service. Changing to a premium product may require a change in your primary customer value strategy from a lower priced, self-service model to a high touch, more attentive customer value strategy and service model. The key is that your CVP system must be in alignment and “make sense” at all times if it’s going to work and give your customer “what they want, when they want it, in a way that makes them feel the way they want to feel”.

While determining your products and/or services doesn’t quite take a linear path, be sure to take a logical approach that ensures that your target customer’s needs and expectations drive your product and service selection (and not the other way around).

Now, once successful companies have got their initial CVP nailed down, only then do they move on to determining their business strategy and supporting business model.

A good business strategy outlines the value chain of strategic objectives required to deliver a company’s CVP. Different customer value propositions require different strategic choices so a company’s business strategy should always follow its CVP (and product and/or service suite selection). When it’s doing its job, your business strategy outlines the organizational capabilities (people, tools and technologies), internal process capabilities (how key business processes need to perform), and key customer benefits that support the delivery of the customer value proposition and the financial strategies and rewards associated with delivering this value to the target customer.

However, all of us realize that a good business strategy alone won’t guarantee success – you need the right mechanism to execute it. That’s where your business model comes in. Your business model includes the organizational culture, management and governance structures, infrastructure and resources (tools, technologies, and human resource skills and competencies), and the activities required to enable the execution of your business strategy. Different CVP’s and business strategies require different business models and a failure to properly align your business model, including the key business processes you must excel at and the projects you choose to focus on, has a direct impact on your company’s ability to execute your business strategy to its fullest potential.

In successful companies there is a clear and inter-dependent relationship between products, projects, and strategy. While that relationship can be summarized via the diagram provided below, it’s important to remember that this entire picture really works as a dynamic eco-system.

Strategy Business Model - Sandy Richardson

Your products and/or services, business strategy, and projects all have their place in this picture and a contribution to make to your business success – remove any of them, or do anything that puts any element out of alignment, and you will impact your company’s ability to achieve its customer and business goals and objectives.

The key thing to remember when it comes to products, projects, and strategy is this: Your ability to manage the dynamics of the elements in this entire eco-system ON AN ONGOING BASIS is the one critical factor that will, in the end, allow you to formulate a more effective response as your business situation changes – allowing your company to continue excelling at delivering even greater value to your target customer.

This is the thing that successful companies excel at – and your company must excel at it too!

Share this Post!

Como o Seu Comportamento Pode Influenciar o Sucesso da Sua Organização! – 3ª Parte

Como o Seu Comportamento Pode Influenciar o Sucesso da Sua Organização!

Lembram-se como terminou a 2ª parte do texto?

Mas a mudança de atitude tinha que ser complementada com algo que um Gestor tem como tarefa crucial…”

Já sabem qual é essa tarefa crucial?

Pois é, essa tarefa é: Motivar os seus colaboradores

COMO MOTIVAR OS SEUS COLABORADORES

Antes de mais, o que é a Motivação? Motivação é contagiar o próximo com a nossa vontade de ter sucesso.

É o que faz o ser humano avançar, e se o ser humano avançar a organização que serve também avançará.

Pessoas motivadas apresentam energia e entusiasmo no desenvolvimento das suas tarefas. Preocupam-se mais com a realização pessoal do que com recompensas que resultem do sucesso, confiam nas suas capacidades aceitando responsabilidades com gosto e encaram as mudanças como um desafio.

Pelo contrário, pessoas desmotivadas apresentam sinais contrários e que um gestor deverá saber identificar, como sejam:

  • Resistência a mudanças e elevada desconfiança.
  • Trabalhos mal executados e atrasos na sua execução.
  • Apatia, passividade e indiferença pelo trabalho.
  • Falta de cooperação no ultrapassar de problemas e dificuldades.
  • Pouca pontualidade e elevado absentismo.
  • Mau humor e falta de brio.

Bastaram uns dias na empresa para perceber que todos os colaboradores, com maior ou menor intensidade, denotavam estes sinais, ou seja, estavam Desmotivados!

No entanto isto não tinha sido sempre assim. Já tinham sido uma equipa motivada e trabalhadora que gostava daquilo que fazia e que aceitava os processos de mudança como um desafio. Mas isso tinha sido á bastante tempo atrás!

Isto é demonstrativo de algo que um gestor nunca deve esquecer: Quem está motivado hoje, pode deixar de o estar amanhã!

Sendo a motivação um dos principais impulsionadores da produtividade e do sucesso de uma organização, estava explicada em parte a falta de produtividade que se verificava naquele departamento.

Existem alguns procedimentos que um Gestor deve adotar se quiser motivar os seus colaboradores:

  • O Gestor deve dar o exemplo com a sua própria motivação.
  • A Motivação é um trabalho contínuo.
  • Indique uma Meta clara e objetiva.
  • Mostre reconhecimento – Elogie o trabalho dos seus colaboradores.
  • Integre os seus colaboradores numa equipa.
  • Envolva os colaboradores sempre que possível nos processos de decisão.
  • Apresente desafios exequíveis – é uma técnica bastante eficaz.
  • Promova a progressão
  • Dedique-se a conhecer os seus colaboradores, para perceber o que é que motiva cada um. Todas as pessoas são passíveis de serem motivadas,

Foi isso que fiz. Comecei a implementar os procedimentos um a um começando pelo que considero mais importante: Tornar bem visível a motivação do Próprio Gestor.

Dias após ter posto em pratica alguns destes pontos, um dos meus colaboradores no final do dia disse-me: ”Á muito tempo que não me sentia tão satisfeito na empresa. Consegui finalizar uma grande quantidade de trabalho que tinha pendente! Não sei porque é que não o terminara antes!”.

Peter Druker afirmava: “Os gestores muitas vezes não sabem como motivar os colaboradores mas sabem como desencorajá-los”.

Share this Post!

The Internet of Things

An interesting infographic made ​​by IBSG (Cisco’s Internet Business Solutions Group)

Technological limitations are receding exponentially. When billions of things are connected, talking and learning, the only limitation left will be our own imaginations.

IBSG – Cisco’s Internet Business Solutions Group

The Internet of Things

Original article by Cisco Download Infographic

Exists the vision to create a world where all objects may have a virtual representation and an unique identification in Internet. The success will be the global adoption of this idea. Who aligns?

Share this Post!

Como o Seu Comportamento Pode Influenciar o Sucesso da Sua Organização! – 2ª Parte

Como o Seu Comportamento Pode Influenciar o Sucesso da Sua Organização!

A primeira parte da história terminou com:” Não foi isso que me deixou ir abaixo, pelo contrário, adoptei a atitude que queria que a minha equipa adoptasse, …”

Pois bem a atitude que queria que a minha equipa adoptasse era uma atitude positiva!

E o que é uma Atitude Positiva?

John Maxwell afirma: “Existe muito pouca diferença entre as pessoas, mas essa diferença faz grande diferença. A pequena diferença é a Atitude. A grande diferença é se esta é Positiva ou Negativa”.

Durante uma das reuniões semanais que implementei, após ter dado conhecimento das decisões tomadas em concelho de administração perguntei à minha equipa: “O que lhes parece as decisões tomadas?” Um dos elementos, como vinha sendo habitual, não conseguiu encontrar nada de positivo. Pelo contrário, eram decisões que iam levar o departamento para uma situação insustentável porque não havia tempo para responder a tantas propostas, porque o nº de pessoas eram insuficientes para desenvolver o trabalho, porque.., porque.., porque…

Em Comportamento Organizacional considera-se que a Atitude tem um peso mais relevante para o sucesso ou o fracasso de uma equipa ou de um projecto do que a capacidade técnica.

Existem de facto pessoas cuja Atitude lhes permite ter uma perspectiva positiva pouco vulgar e que marca a diferença,. Estas pessoas têm uma atitude perante a vida que lhes permite ver Oportunidades onde outros vêm Dificuldades. O elemento da minha equipa estava claramente neste último grupo.

Cabia-me a mim, como gestora, alterar aquele estado de coisas! Assim, perguntei qual era o nº de projectos que tínhamos em carteira. Alguns não sabiam, outros tinham a perfeita noção que o nº era muito pequeno para a dimensão da equipa.

Para mudar a atitude da assembleia bastou-me fazer uma afirmação: “Então concordam que a capacidade técnica desta equipa está subaproveitada e que basta adoptarmos uma Atitude Positiva para que este desafio seja ganho!

A minha equipa tinha tomado consciência, naquele preciso momento, que a sua atitude seria a causa do sucesso ou do fracasso daquele desafio!

Chris Evert, uma das maiores atletas femininas de todos os tempos, comentou: “O que separa os bons jogadores dos excelentes é a atitude mental. Se a mente for forte, consegue fazer praticamente qualquer coisa que quiser”

Na verdade uma atitude positiva faz milagres e acredito que qualquer pessoa se pode transformar numa pessoa positiva, desde que o queira genuinamente!

Mas a mudança de atitude tinha que ser complementada com algo que um Gestor tem como tarefa crucial:….

Qual é essa tarefa segundo o seu ponto de vista?

Considera que a minha leitura da equipa foi correcta? Qual seria a sua atitude perante esta equipa? Será que a equipa vai mesmo mudar a sua atitude e que iremos ganhar o desafio?

Share this Post!