Strategy Conversations (and what they can do for your public sector organization)

An interesting infographic made ​​by Sandy Richardson

What difference will strategy conversations make to our business results?, What strategy conversations can do for public sector companies?

Strategy Conversations (and what they can do for your public sector company)
by Sandy Richardson

Strategy Conversations- Public sector

Original article by Sandy Richardson Download Infographic

Use conversations to explore strategy topic in-depth. Having a conversation with people your meet in your company improve people’ thinking process and gives them an opportunity to focus on the views of others.

Strategy Conversations (and what they can do for your private sector company)

An interesting infographic made ​​by Sandy Richardson

What difference will strategy conversations make to our business results?, What strategy conversations can do for private sector companies?

Strategy Conversations (and what they can do for your private sector company)
by Sandy Richardson

Strategy Conversations- Private sector

Original article by Sandy Richardson Download Infographic

Use conversations to explore strategy topic in-depth. Having a conversation with people your meet in your company improve people’ thinking process and gives them an opportunity to focus on the views of others.

Como o Seu Comportamento Pode Influenciar o Sucesso da Sua Organização! – 3ª Parte

Como o Seu Comportamento Pode Influenciar o Sucesso da Sua Organização!

Lembram-se como terminou a 2ª parte do texto?

Mas a mudança de atitude tinha que ser complementada com algo que um Gestor tem como tarefa crucial…”

Já sabem qual é essa tarefa crucial?

Pois é, essa tarefa é: Motivar os seus colaboradores

COMO MOTIVAR OS SEUS COLABORADORES

Antes de mais, o que é a Motivação? Motivação é contagiar o próximo com a nossa vontade de ter sucesso.

É o que faz o ser humano avançar, e se o ser humano avançar a organização que serve também avançará.

Pessoas motivadas apresentam energia e entusiasmo no desenvolvimento das suas tarefas. Preocupam-se mais com a realização pessoal do que com recompensas que resultem do sucesso, confiam nas suas capacidades aceitando responsabilidades com gosto e encaram as mudanças como um desafio.

Pelo contrário, pessoas desmotivadas apresentam sinais contrários e que um gestor deverá saber identificar, como sejam:

  • Resistência a mudanças e elevada desconfiança.
  • Trabalhos mal executados e atrasos na sua execução.
  • Apatia, passividade e indiferença pelo trabalho.
  • Falta de cooperação no ultrapassar de problemas e dificuldades.
  • Pouca pontualidade e elevado absentismo.
  • Mau humor e falta de brio.

Bastaram uns dias na empresa para perceber que todos os colaboradores, com maior ou menor intensidade, denotavam estes sinais, ou seja, estavam Desmotivados!

No entanto isto não tinha sido sempre assim. Já tinham sido uma equipa motivada e trabalhadora que gostava daquilo que fazia e que aceitava os processos de mudança como um desafio. Mas isso tinha sido á bastante tempo atrás!

Isto é demonstrativo de algo que um gestor nunca deve esquecer: Quem está motivado hoje, pode deixar de o estar amanhã!

Sendo a motivação um dos principais impulsionadores da produtividade e do sucesso de uma organização, estava explicada em parte a falta de produtividade que se verificava naquele departamento.

Existem alguns procedimentos que um Gestor deve adotar se quiser motivar os seus colaboradores:

  • O Gestor deve dar o exemplo com a sua própria motivação.
  • A Motivação é um trabalho contínuo.
  • Indique uma Meta clara e objetiva.
  • Mostre reconhecimento – Elogie o trabalho dos seus colaboradores.
  • Integre os seus colaboradores numa equipa.
  • Envolva os colaboradores sempre que possível nos processos de decisão.
  • Apresente desafios exequíveis – é uma técnica bastante eficaz.
  • Promova a progressão
  • Dedique-se a conhecer os seus colaboradores, para perceber o que é que motiva cada um. Todas as pessoas são passíveis de serem motivadas,

Foi isso que fiz. Comecei a implementar os procedimentos um a um começando pelo que considero mais importante: Tornar bem visível a motivação do Próprio Gestor.

Dias após ter posto em pratica alguns destes pontos, um dos meus colaboradores no final do dia disse-me: ”Á muito tempo que não me sentia tão satisfeito na empresa. Consegui finalizar uma grande quantidade de trabalho que tinha pendente! Não sei porque é que não o terminara antes!”.

Peter Druker afirmava: “Os gestores muitas vezes não sabem como motivar os colaboradores mas sabem como desencorajá-los”.

Como o Seu Comportamento Pode Influenciar o Sucesso da Sua Organização! – 2ª Parte

Como o Seu Comportamento Pode Influenciar o Sucesso da Sua Organização!

A primeira parte da história terminou com:” Não foi isso que me deixou ir abaixo, pelo contrário, adoptei a atitude que queria que a minha equipa adoptasse, …”

Pois bem a atitude que queria que a minha equipa adoptasse era uma atitude positiva!

E o que é uma Atitude Positiva?

John Maxwell afirma: “Existe muito pouca diferença entre as pessoas, mas essa diferença faz grande diferença. A pequena diferença é a Atitude. A grande diferença é se esta é Positiva ou Negativa”.

Durante uma das reuniões semanais que implementei, após ter dado conhecimento das decisões tomadas em conselho de administração perguntei à minha equipa: “O que lhes parece as decisões tomadas?” Um dos elementos, como vinha sendo habitual, não conseguiu encontrar nada de positivo. Pelo contrário, eram decisões que iam levar o departamento para uma situação insustentável porque não havia tempo para responder a tantas propostas, porque o nº de pessoas eram insuficientes para desenvolver o trabalho, porque.., porque.., porque…

Em Comportamento Organizacional considera-se que a Atitude tem um peso mais relevante para o sucesso ou o fracasso de uma equipa ou de um projecto do que a capacidade técnica.

Existem de facto pessoas cuja Atitude lhes permite ter uma perspectiva positiva pouco vulgar e que marca a diferença,. Estas pessoas têm uma atitude perante a vida que lhes permite ver Oportunidades onde outros vêm Dificuldades. O elemento da minha equipa estava claramente neste último grupo.

Cabia-me a mim, como gestora, alterar aquele estado de coisas! Assim, perguntei qual era o nº de projectos que tínhamos em carteira. Alguns não sabiam, outros tinham a perfeita noção que o nº era muito pequeno para a dimensão da equipa.

Para mudar a atitude da assembleia bastou-me fazer uma afirmação: “Então concordam que a capacidade técnica desta equipa está subaproveitada e que basta adoptarmos uma Atitude Positiva para que este desafio seja ganho!

A minha equipa tinha tomado consciência, naquele preciso momento, que a sua atitude seria a causa do sucesso ou do fracasso daquele desafio!

Chris Evert, uma das maiores atletas femininas de todos os tempos, comentou: “O que separa os bons jogadores dos excelentes é a atitude mental. Se a mente for forte, consegue fazer praticamente qualquer coisa que quiser”

Na verdade uma atitude positiva faz milagres e acredito que qualquer pessoa se pode transformar numa pessoa positiva, desde que o queira genuinamente!

Mas a mudança de atitude tinha que ser complementada com algo que um Gestor tem como tarefa crucial:….

Qual é essa tarefa segundo o seu ponto de vista?

Considera que a minha leitura da equipa foi correcta? Qual seria a sua atitude perante esta equipa? Será que a equipa vai mesmo mudar a sua atitude e que iremos ganhar o desafio?

A Gestão De Projetos Nos Dias De Hoje: TechDay 2013

Seguem algumas reflexões da palestra “A Gestão de Projetos nos dias de hoje”, realizada no passado 23 de Maio no evento TechDay 2013 que decorreu na Universidade Lusófona do Porto.A Gestão De Projetos Nos Dias De Hoje: TechDay 2013

Existem 8 fatores que nos dão uma visão de onde está hoje em dia a Gestão de Projetos e para onde caminha.

1. GESTÃO DE PROJETOS UMA COMPETÊNCIA DO SÉCULO XXI

Até recentemente, chegávamos a ser gestores de projeto por acidente. Éramos aqueles técnicos que, ao fazer um bom trabalho, éramos premiados com a liderança de um projeto. O problema desta abordagem é que as competências necessárias para sermos gestores de projetos bem-sucedidos nada tem a ver com as competências necessárias para sermos bons técnicos. Éramos também postos nessa nova posição sem a formação adequada. O resultado? Projetos realizados sem sucesso, noites sem dormir, e fins de semana a trabalhar.

Hoje em dia a indústria, na sua maioria, reconhece a gestão de projetos como uma profissão. Reconhece que o gestor de projetos possui um conjunto de qualidades únicas que são necessárias para o bom funcionamento organizacional. Reconhece que o gestor de projetos precisa de “soft skills”, liderança, boa comunicação, saber motivar, gerir adequadamente o seu tempo, ter conhecimentos de coaching, etc.

Vemos que nos dias de hoje existe no mercado um conjunto de certificações, tais como, PMP®, Scrum e GPM®, que dão credibilidade à gestão de projetos como uma competência separada da parte técnica.

O PMI (Project Management Institute), que tem sido o maior defensor mundial da profissão de gestão de projetos, existe desde 1969. No entanto, só agora é que começa a existir um despertar neste campo. A profissão já é considerada uma competência básica para o século XXI.

O conhecimento das boas práticas na gestão de projetos é o pilar onde se sustentam os próximos 7 fatores, sendo o primeiro deles “Equipas virtuais de trabalho”.

2 – EQUIPAS VIRTUAIS DE TRABALHO

Num mundo onde as pessoas estão a começar a exigir um nível de equilíbrio entre trabalho/vida que envolve menos viagens e mais tempo com a família, o gestor de projetos tem de aprender como trabalhar com:

  • recursos humanos distribuídos por várias zonas geográficas
  • diferentes fusos horários
  • diferentes culturas
  • diferente legislação

O gestor de projeto bem sucedido precisa de saber como usar ferramentas de colaboração de projeto e efetivamente gerir equipas virtuais.

3 – A SUSTENTABILIDADE COMEÇA COM A GESTÃO DE PROJETOS

Lala Deheinzelin, pioneira em economia criativa no Brasil, alerta frequentemente nas suas palestras para o facto de que nos dias de hoje ainda nos damos ao luxo de utilizar a palavra “Sustentabilidade” como um adjetivo, que ainda podemos “ser” ou “não ser” sustentáveis, e que isto no curto prazo irá mudar. A sustentabilidade tem de formar parte da nossa cultura.

Estamos a assistir ao facto de que a sustentabilidade na gestão de projetos é um passo evolutivo natural para esta disciplina, e que ela nos vai permitir maximizar o valor, a longo prazo, da profissão gestão de projetos. E porquê? Porque a sustentabilidade em projetos se correlaciona com a sustentabilidade da organização (pessoas, planeta, lucro, processos e produtos). Projetos sustentáveis significam uma organização sustentável.

Neste sentido, o guia de referência GPM® para a Sustentabilidade em Gestão de Projetos, contêm as boas práticas para a integração da sustentabilidade com base na metodologia PRiSM Project Management.

4 – METODOLOGIAS ÁGEIS

Metodologia Ágil é uma alternativa à gestão tradicional de projetos, normalmente usada no desenvolvimento de software. Ela ajuda às equipas de trabalho a responder à imprevisibilidade através de uma abordagem incremental e iterativa, utilizando iterações conhecidas como sprints. Dado que um sprint, é realizado numa janela de tempo muito curta (normalmente 1 mês), este tipo de metodologia serve como resposta às mudanças, que acontecem cada vez mais depressa à nossa volta.

O Scrum é a metodologia ágil mais utilizada.

5 – TRASFORMAR ESTRATÉGIA EM AÇÃO

Se seleccionar e iniciar projetos é a maneira de transformar a estratégia em ação, porque é que ainda não estamos a seleccionar os projetos mais adequados nas nossas organizações? Qual é o nível de maturidade da gestão de projetos dentro da nossa empresa? Será que os projetos que estamos a executar atualmente estão alinhados com a nossa estratégia? Será que temos projetos, para todas e cada uma das nossas estratégias? Ou será que temos estratégias sem projetos, e projetos que não estão associadas a nenhuma das estratégias?

Convém reflectir sobre o que andamos a fazer.

6 – A ÚNICA CONSTANTE É A MUDANÇA

Gestores de projetos bem-sucedidos terão de se adaptar :

  • às novas tecnologias
  • a diferentes métodos de comunicação
  • a diferentes meios de comunicação social
  • a trabalhar na internet
  • a novos formatos de hardware
  • a novas aplicações

Tudo isso vai mudar a nossa forma de gerir pessoas, projetos, clientes, organizações e informação. A mudança tem tendência a aumentar e quem abraçar as mudanças, se adaptar às novas abordagens, e estiver disposto a assumir riscos, vai colher os benefícios de sucesso.

7 – CRESCIMENTO EMPRESARIAL

Como se consegue? Construindo resultados. Como construímos resultados? Com projetos bem sucedidos.
Os quatro elementos para reflexionar na construção de resultados são:

  • A maturidade da gestão de projetos. Hoje em dia a gestão de projetos está mais madura, o que nos permite construir resultados. Não entendamos isto como que o fim justifica os meios. É necessário ter o equilíbrio entre resultados e pessoas, equilíbrio este que nos permite manter a sustentabilidade da empresa.
  • O crescimento organizado.
  • A minimização de problemas: é mais caro financiar a crise do que planear.
  • A gestão do âmbito, risco, comunicações, e recursos humanos. Tendo especial atenção aos recursos humanos, que são a componente mais difícil de gerir. Não foi colocado aqui custo nem prazo, porque estes são uma consequência direta da gestão de âmbito, risco, comunicações e recursos humanos.

8 – SUPERAR BARREIRAS DE IMPLEMENTAÇÃO

Este oitavo fator foi colocado de último porque é o maior desafio na implementação da gestão de projetos na organização. Um processo consistente com a cooperação dos colaboradores, é sem dúvida um grande desafio.

O maior obstáculo? O recurso humano.
Os principais elementos? A crise e a atitude.

  • Crise → ganância, insegurança, preocupações, oportunidades, desafios. São palavras que nos vêm à mente quando falamos de crise. Infelizmente, como a ganância, a insegurança, e as preocupações falam mais alto, a crise é a desculpa para não avançarmos na direcção correta.
  • Atitude → Disciplina, responsabilidade, transparência, persistência, é o que temos de ter para conseguir superar as barreiras.

Faça parte da transformação, não seja você uma barreira na implementação!

PORQUE NÃO?

Esta é a frase que nos deveria orientar ao pensar no progresso!

Porque não estudamos gestão de projetos se é uma competência essencial no século XXI?
Porque não gerimos adequadamente projetos se a sustentabilidade começa com a gestão de projetos?
Se a selecção e iniciação dos projetos é a maneira de transformar a estratégia em ação, porque ainda não estamos a utilizar, técnicas e ferramentas de selecção de projetos na nossa empresa?
Se ter projetos bem sucedidos é a base de um crescimento empresarial, porque ainda não trabalhamos de uma forma organizada?

O que é que nos detêm?

Não pense que a gestão de projetos é só para grandes empresas. A eficácia e eficiência não têm nada a ver com o tamanho da empresa, mas sim com a forma de trabalhar.

A gestão de projetos é uma ferramenta que o ajuda a trabalhar de forma inteligente.

Agora é a sua vez. Que outro fator acha que podíamos adicionar a esta lista? Como pensa que podemos superar as barreiras que nos detêm na implementação de boas práticas na empresa?