Implementing A PMO Is Often Facing Challenges. Expert Interview With Bill Dow

Bill Dow

BILL DOW is a result-oriented, industry recognized, passionate professional who has a strong background in PMO management, development methodologies, and tactical project execution.

Why you should listen to him:

Bill has successfully built several PMO’s, as well as having ran large industry impacting projects. His IT industry background spans government, health care, real estate, software, and wireless. He has strong organizational and planning skills, and focus on building customer partnerships. He has a proven track record on being able to drive strategy, vision, and be forward looking. He is also focused on staying on top of the latest project management industry trends. Through the books that he has published, he has created PMO and Project Communication tools that are used in companies all around the world.

He is the co-author of the Project Management Communication Bible. This is an 801 page reference manual, published in 2008 for Wiley publishing. It can be found on Amazon.com and consistently in the Top 100 for Project Management books.

The second book he wrote is called “The Tactical Guide for Building a PMO” . The book takes his personal experience in building and implementing PMO’s over a 10 year period and puts it into a format that is easy to read and use for any PMO Manager. This book can also be found on Amazon.com.

His third book “Project Management Communications Tools” will be release in the June 2015 timeframe. More information on this book can be found on his www.dowpublishingllc.com website in the coming weeks.

Bill is, also a part time Adjunct Professor at Bellevue College where he teaches several project management classes in the certification program. “I have a deep passion and enthusiasm for teaching and mentoring, so my work at Bellevue College is one of my great accomplishments.” – he says.

Interview:

Mirla Ferreira: Hi Bill, as an author of “The Tactical Guide for Building a PMO” book, What do you think is the highlighter obstacle to implement a PMO that really works?

Bill Dow: I think that PMO Managers throw away process to quickly. Process is a good thing, too much process is not good, but too little doesn’t work either. There is something to be said for all project managers to be managing their projects in a repeatable and consistent manner. So many PMO managers are quick to throw out process because of the growing pressures to be agile, and I would say those folks have the biggest obstacles to be successful.

Mirla Ferreira: In your opinion, what are the best benefits of PMO as a service? In what circumstances should a company choose a PMO as a service approach?

Bill Dow: PMO as a service is a brand new concept that is just starting to take off. I would say that we are far too early to have this model working consistently across companies. Companies are so different and I think this concept of PMO as a Service has a long way to go before it is proven and we see consistent results. If companies are going to go with this concept, then they would be one that are much smaller and want to have outside experts driving their end to end efforts. Still too early frankly and not yet proven.

Mirla Ferreira: For you, what is the biggest challenge that professionals have when leading an effective, value driven PMO?

Bill Dow: The challenge is around executive support. I see PMO’s fail all the time and even document it in my book with a term called the “PMO Cycle”. Basically, it states very simply, when you lose your executive support, you lose your PMO. I have seen it happen many times myself and to my PMO Manager peers. It is a way of life of this profession and something that we to live with. So, go out there and secure the support from multiple executive for the best chance of your PMO succeeding into the future.

Mirla Ferreira: Thanks Bill, it was a pleasure talking to you today”.

Share your experience implementing a PMO!

Desenvolvimento Sustentável e o Gestor do Projeto

Desenvolvimento Sustentável e o Gestor do Projeto

Sustentabilidade é um conceito interessante. Tem sido utilizado no sentido do ambiente do nosso planeta, mas no dia 20 de Março de 1987, A Comissão de Berundtland das Nações Unidas utilizou um conceito diferente de sustentabilidade como parte do conceito de desenvolvimento sustentável “o desenvolvimento que procura satisfazer as necessidades da geração atual, sem comprometer a capacidade das gerações futuras de satisfazerem as suas próprias necessidades”

É engraçado ver como ainda precisamos de um conceito para nos lembrar como podemos ser melhores pessoas, para conseguirmos uma melhor sociedade.  ” Senso comum não é ação comum”, diz Shawn Achor.

As pessoas envolvidas em projetos devem pensar de uma forma responsável, tomando decisões que beneficiem não só a empresa mas também a sociedade e o meio ambiente. Como profissionais da gestão de projetos temos de manter o equilíbrio dos três pilares da sustentabilidade: Económico, Social e Ambiental nos projetos.

Neste ponto e com esta responsabilidade nos vêm a mente muitas perguntas: Como podemos integrar as boas práticas da Gestão de Projetos, a Responsabilidade Social, Energia, Ambiente, Qualidade, Partes Interessadas, Finanças, Aquisições, etc?. Parece confuso. É muita informação e no final de contas não é fácil de implementar. Afortunadamente temos a disposição um framework que integra todos estes conceitos, é um framework que nos guia no sentido de integrar a sustentabilidade nos projetos.

Como diz Joel Carboni “A Sustentabilidade começa com a Gestão de Projetos!”

The GPM® Reference Guide to Sustainability in Project Management.

“Com mais de 65 anos de experiência combinada em gestão de projetos, os autores Joel Carboni, Monica Gonzalez, e Jeff Hodgkinson criaram um guia de referência para a gestão de projetos com as melhores práticas para a integração da sustentabilidade com base na metodologia PRiSM.

A crença de que a Gestão de Projetos pode dirigir – na prática, e não apenas em teoria – um planeta e uma economia sustentável, este manual de 157 páginas, aborda os principais aspectos da sustentabilidade relacionando padrões internacionais, a nova ISO 21500 Orientação sobre Gestão de Projetos, bem como a forma de construir um plano de gestão da sustentabilidade utilizando o Método GPM® P5 ™ “

Ainda não está disponível uma versão em português, mas pode dar uma olhada sobre este ebook em:  http://www.greenprojectmanagement.org/the-p5-standard

E você? Integra a sustentabilidade nos seus projetos?

The 1st Floor Challenge – Está na hora de estudar Inovação e Gestão de Projetos duma forma divertida!

The 1st Floor Challenge

The 1st Floor challenge é uma competição global, organizada pela Emeteclass e pela Stellio, onde os participantes aprendem de uma forma divertida os conceitos de inovação e as melhores práticas da gestão de projetos. Mais do que uma brincadeira, os participantes têm a oportunidade de experimentar, num caso real, boas praticas que aumentam a sua probabilidade de ter sucesso em áreas tão importantes como a inovação e a gestão de projetos.

Partindo de um cenário previamente estabelecido, cada equipa constroi como produto final um quadcopter (drone) seguindo as boas práticas aprendidas previamente. Este desafio envolve a comunicação com o cliente, a utilização de metodologias de inovação para adicionar valor aos requisitos iniciais dos clientes, criar e planear um projeto global, executar e acompanhar o projeto e, finalmente, apresentar ao cliente e encerrar o projeto onde serão analisadas as consequências das decisões tomadas ao longo da simulação.

No passado dia 27 de Setembro foi lançado oficialmente a competição The 1st Floor Challenge. O evento teve lugar no Instituto de Telecomunicações de Aveiro, onde a equipa SALINAS aprendeu durante todo o dia técnicas e ferramentas para adicionar valor ao cliente e realizou um projeto dentro dos objetivos propostos. Veja as fotos do evento.

O QUE OBTÊM?

  • 07 PDU’s para se candidatar ao exame de certificação PMP®, ou caso queira renovar a sua certificação,
  • Um certificado de presença, e a possibilidade de ver o seu projeto no Hall of Fame,
  • Bolachas, café, e muita diversão.

QUAIS SÃO AS BOAS PRÁTICAS QUE IRÁ APRENDER? …

  • Design Thinking
  • Guia PMBOK®
  • Practice Standard for Work Breakdown Structures
  • Practice Standard for Scheduling
  • Practice Standard for Project Risk Management

A SUA EQUIPA É A MELHOR?
Inscreva-se no nosso desafio. Irá trabalhar dentro de uma equipa de quatro pessoas onde cada intervenção conta para a classificação final.

Encontrará mais informação sobre esta competição em the1stfloorchallenge.com

JÁ VIU O VÍDEO DO DRONE QUE IRÁ CONSTRUIR?


Gestão de Projetos é Essencialmente ‘Mudança’

A gestão de projetos muda o local de trabalho

A gestão de projetos muda o ambiente: Se realizar e entregar os projetos com ética pode produzir um impacto positivo na sociedade preservando os recursos naturais e produzindo mudanças a nível económico e social.

A gestão de projetos muda as oportunidades: Com uma cultura de gestão de projetos escolhemos apenas projetos rentáveis ​​e que estão alinhados com a estratégia organizacional, aumentando assim as oportunidades. Nos focalizamos apenas no que é importante para a empresa.

A gestão de projetos muda o lucro: Pare de ter surpresas no projeto. Pare de perder tempo e dinheiro nos seus projetos. A gestão de projetos o ajuda a finalizar os projetos com o valor monetário calculado no planeamento.

A gestão de projetos muda as competências das pessoas: a gestão de projetos dedica tempo e esforço para planear como irá melhorar o desempenho dos recursos humanos envolvidos no projeto, seja a nível individual, seja como equipa.

A gestão de projeto muda o risco: Realizar a gestão de riscos em projetos ajuda a evitar muitos problemas e ajuda a que outros problemas sejam menos prováveis de acontecer. Quando eliminamos as incertezas, as estimativas do trabalho a realizar são mais precisas, economizando tempo e dinheiro no projeto.

A gestão de projetos muda os conflictos: o conflito é inevitável, é uma consequência das interações organizacionais, mas as boas práticas de gestão de projetos ajudam a evitar muitos deles.

A gestão de projetos muda a qualidade: a falta de atenção à qualidade adiciona riscos consideráveis ao projeto, o que resulta em retrabalho. Isso significa desperdício de tempo e dinheiro. Com foco na qualidade, podemos dedicar tempo à prevenção em vez de lidar com os problemas, entregando o produto ou serviço com a qualidade esperada pelo cliente.

A gestão de projeto muda o sucesso: a capacidade de uma organização para atingir os objetivos do projeto impacta significativamente a sua capacidade de prosperar.

A gestão de projetos muda o local de trabalho: a gestão de projetos é a melhor forma de integrar pessoas e processos utilizando uma abordagem abrangente: aprender, compreender e agir.

Com a gesrtão de projetos, podemos criar um impacto positivo na sociedade, aumentar as nossas oportunidades, aumentar o lucro, melhorar as competências e habilidades das pessoas, minimizar os conflitos, melhorar a qualidade de produtos e serviços, prevenir e minimizar os riscos e aumentar o nosso sucesso.

Definitivamente, com a gestão de projetos, podemos mudar o local de trabalho! Cada organização merece ser o melhor que pode ser.

Robobraille em Portugal e no Mundo

RoboBrille.

Ao ler o livro Comunicar e Integrar, organizado por Augusto Deodato Guerreiro, encontrei um capítulo interessante dedicado a um projeto financiado pela Comissão Europeia, associado ao programa eTEN, com a finalidade de validar o serviço Robobraille Dinamarquês.

Esta validação foi realizada em cinco países: Chipre, Irlanda, Itália, Portugal e Reino Unido. O consórcio foi liderado pelo Synscenter Refsnæs (Dinamarca), e esteve integrado pelas seguintes organizações: St Josephs (Irelanda), Royal National College for the Blind (Reino Unido), ANS Associazione Nazionale Subvedenti (Italia), Pagkypria Organozi Tyflon (Chipre) e o Centro de Inovação para Deficientes (Portugal).

O serviço é simples, o RoboBraille oferece uma ferramenta que realiza a conversão de texto para Braille ou voz. Os utilizadores enviam os seus documentos como anexos em e-mails, e os recebem convertidos para Braille ou voz sintética.

Apesar do projeto já ter terminado há algum tempo (em 2007), têm sido realizadas algumas atividades, aproveitando o resultado deste projeto e de outros projetos.

  • Um acordo para desenvolver uma voz sintética da Gronelândia (Setembro 2013),
  • Criação do Projeto Robobraille Leonardo da Vinci. (Outubro 2013),
  • Criação do Projeto Prospery4all com o Robobrille como serviço chave. (Fevereiro 2014), e
  • mais recentemente, o serviço Robobraille lançado na Românica e na Bulgária (Abril 2014).

O projeto RoboBrille recebeu varios prémios:

  • 2008 Well-Tech award for Innovation and Accessibility, Itália,
  • 2007 Social Contribution Award, British Computer Society, Reino Unido,
  • 2007 Pricess Birthday Grant, Kjaeden, Dinamarca,
  • Projeto eTEN do Mês, Junho de 2007, Comissão Europeia,
  • Nomeado para Projecto eTEN do Ano de 2007, Comissão Europeia,

Conheça mais sobre este projeto em http://www.robobraille.org/